Por que Jesus e não Yeshua? (A letra J)

1
37

Por que Jesus e não Yeshua?

     É comum ouvirmos argumentos como:

       “A letra J não existia em hebraico, portanto ‘Jeová’ não é a pronúncia correta”.

     Também muitos dizem:

       “A pronúncia certa é ‘Yeshua’, não ‘Jesus'”.

        Teólogos sofisticados não usam esse argumento, pois é bastante tosco. Geralmente é o opositor mediano, que leu artigos de amadores na internet, que faz uso de tais alegações.

O uso do J nas línguas latinas

Imagem relacionada
Pedro de la Ramée

       A letra J foi originalmente uma versão alternativa à letra I (i). E tal diferença ficou mais clara a partir da Idade Média. Pedro de la Ramée (1515 – 1572) foi o primeiro a distinguir abertamente as letras I e J como representando sons diferentes.

         No início, tais letras representavam /i/, /iː/, e /j/; mas as línguas românicas desenvolveram novos sons que passaram a ser representados pela utilização do I e o J, daí a atual distinção na pronúncia destas duas letras.

         Assim, a letra J é na verdade o resultado natural das mudanças da língua, que é viva. Dessa forma, as transformações que naturalmente ocorrem na língua transformaram a letra I em J – não há nada de errado nisso.

         A letra J tem várias pronúncias, inclusive a pronúncia de Y. Veja algumas:

 

  • Português, Romeno e Francês:

    Som: / ʒ /

    Exemplo: “João”, “Jarro”;

  • Norueguês, Islandês, Neerlandês, Dinamarquês , Finlandês, Alemão, Sueco:

    Som: / i /

    Exemplo: “Johannes”;

  • Inglês:

    Som: / dʒ /

    Exemplo: “James”, “Diego”, “Diadema”;

Imagem relacionada
Aristóteles

       Assim sendo, a letra J é o resultado do curso natural da língua. O que realmente importa numa língua é o significado e significante. Ou seja, é aquilo que te vem em mente ao mencionar um nome. Exemplo: Se eu falasse: “Ἀριστοτέλης” a um americano, ele não saberia quem é. Assim também, se eu falasse “Aristóteles” a um americano, ele também não saberia. Mas se eu falar “Aristotle” [pronuncia-se /ˈærɪˌstɒtəl/], então ele saberá que estou me referindo a um filósofo grego, aluno de Platão e professor de Alexandre, o Grande.

Imagem relacionada
Curso de Linguística Geral de Ferdinand de Saussure

       O que muitos “apologistas da cristandade” não entendem é que a língua é um bem social. (Para mais informações, sugiro a leitura de Curso de Linguística Geral de Ferdinand de Saussure – linguista e filósofo suíço).

Imagem relacionada
Ilustração de Moisés

       Portanto, a língua deve ter significado entre pessoas. Veja, por exemplo, a pergunta: Quem foi “Moisés”? Se ao mencionar tal nome você teve em mente uma referência ao personagem histórico que foi um líder religioso, legislador e profeta, a quem a autoria da Torá é tradicionalmente atribuída, então esse nome é exato, pois houve significado entre locutor e ouvinte. Mas se eu te perguntasse: “O que você pensa de Moshe?” Você me perguntaria: “É de comer puro ou passar no pão?” Nesse último caso, não há uma relação entre locutor e ouvinte, tornando assim a linguagem inapropriada.

       Da mesma forma, “Jeová” é uma referência em português ao Deus dos hebreus. “Jesus” é uma referência em português àquele que os cristãos entendem como o aguardado messias. Se eu falar “Yahu”, ou “Yeshua”, essas não são formas comuns de termos em português. Por isso, “Jeová” e “Jesus”, assim como “Moisés”, “Abraão” e demais nomes são os termos mais apropriados na nossa língua como referência aos nomes pessoais de personagens bíblicos.

Um comentário

Deixe uma resposta

Escreva seu comentário
Por favor, entre com seu nome aqui