Respondendo a objeções sobre o espírito santo # 1

0
27

Se a Bíblia diz que o espírito santo “falará o que ouvir”, como pode este não ser uma pessoa?

        Para responder a este questionamento, primeiro leiamos:

 (João 16:13) “pois [o espírito santo] não falará de sua própria iniciativa, mas falará o que ouvir e declarará a vocês as coisas que virão.”

        Um ponto que devemos ter em mente é: Se o espírito santo fosse uma pessoa, isso significaria que o espírito santo não é Jeová, pois surgirá a pergunta: “Como poderia Jeová não falar de sua própria iniciativa?” Jeová nunca é intermediário entre uma autoridade superior a Ele e humanos. Assim, trinitários que raciocinam um pouco mais antes de criar um argumento jamais fariam esta proposição antitrinitária.

        Em nosso post no Facebook, postulamos que, em muitas vezes, o espírito santo é uma metonímia de Jeová. Neste caso, porém, é justamente o oposto. Aqui, o espírito santo é uma metonímia de quem fala com espírito santo.

        Em Atos 16:6 lemos que Paulo e Timóteoestavam proibidos pelo espírito santo de falar a palavra dentro [do distrito] da Ásia.”. Então note que quem iria falar diretamente eram os homens, Paulo e Timóteo, não o espírito santo literalmente.

        Em Atos 11:28 lemos que “Ágabo […] levantou-se e passou a indicar, por intermédio do espírito, que uma grande fome estava para vir sobre toda a terra habitada […]”. Note que quem ouvia e falava não era o espírito santo, mas o homem que tinha o espírito santo.

       Em Atos 21:11 nós vemos que Filipe “amarrou os seus próprios pés e mãos, e disse: ‘Assim diz o espírito santo […]’ ”. Nesses exemplos, vemos que quem falava era o homem, o ser humano que tinha o espírito santo.

        Aqui vemos então exemplos de metonímia, do portador pelo instrumento. Ou seja, fala-se dos homens que portavam o espírito santo como sendo o próprio espírito santo. Esse tipo de metonímia é bem comum e ocorre quando empregamos o continente (o que está fora) pelo conteúdo (o que está dentro), ou vice-versa.

       Exemplo: “Bebeu só dois copos e já saiu cambaleando”.

       Neste caso, há um exemplo de metonímia que usa continente (o copo) pelo conteúdo (a bebida). Na verdade, ninguém bebe o copo literalmente, e sim o que há dentro dele. Vemos exemplos disso na Bíblia:

  • (Isaías 51:17) “[…] Você bebeu a taça […]”

  • (Mateus 20:22) “[…] Será que podem beber o cálice que eu estou para beber? […]”

       Portanto, quando João 16:13 diz que o espírito santo “não falará de sua própria iniciativa, mas falará o que ouvir”, está se referindo a pessoa, ao ser humano, que falará o que “ouvir”. Neste caso, o espírito santo é uma metonímia de quem o porta. Vejamos também um exemplo disso na Bíblia.

(Atos 28:25) “O espírito santo falou apropriadamente aos antepassados de vocês, por meio de Isaías, o profeta […]”

        Quem esse texto diz que “falou”? O espírito santo. Mas agora leiamos João 12:38, onde o assunto é a mesma citação:

“[…] se cumpriu a palavra de Isaías, o profeta, que disse […]”

        Ora, será que podemos concluir que Isaías é o próprio espírito santo? Sim, mas somente como uma metonímia do continente pelo conteúdo, portador pelo instrumento. Quando o espírito santo falava, quem literalmente falava era Isaías. Quando o espírito santo “ouvia”, quem ouvia era Isaías, o portador do espírito santo.

(Mateus 10:20) Pois quem fala não são apenas vocês, mas é o espírito do seu Pai que fala por meio de vocês.

 

        Esse tipo de linguagem era muito comum nos tempos bíblicos.

       Baseado nesse artigo, perguntamos: Como é que o espírito santo fala? Na prática, são pessoas cheias de espírito santo que falam.
Seguindo a mesma lógica: como é que o espírito ouve? Na prática, são pessoas cheias de espírito que ouvem os ensinos divinos e falam deles.

 

Deixe uma resposta

Escreva seu comentário
Por favor, entre com seu nome aqui